Taciana Valença

TACI EM VERSOS E PEDAÇOS.

Textos


Procuro um nome, um apenas, que possa traduzir essa dor. A perda, a saudade, o vazio, o coração explodindo, o travo na garganta. Por isso mesmo não pude sequer mandar uma mensagem. Nada, nada que eu disser, poderá abrandar a dor de uma mãe que perde um filho. E quando uma mãe perde um filho, todas as mães sentem.

Eu estava na rua quando recebi a mensagem. Li, reli, vi as outras mensagens e, de repente, caí no choro. Estava no DETRAN e um rapaz me perguntou se estava bem. Não, não estava bem. Afinal eu estive com ela na última campanha para prefeito e vereador aqui no Recife. E riso, alegria e bom humor foi o que me ligou a ela. Sim, foi uma pancada pra mim. Faria 31 anos dia 16 de fevereiro. Tão jovem, tão luz, tão especial em todo o sentido da palavra.  Não, não é justo uma mãe ter que chegar em casa e não mais encontrar sua filha. Essa dor acaba comigo todas as vezes em que penso nisso.

Mas volto aos poucos, tentando o equilíbrio que normalmente não tenho, sendo sempre levada pelas emoções, e penso: o que sabemos sobre ir, sobre ficar, sobre o significado de todas as dores? Nada. Apenas estamos, assim, expostos às ordens que a vida dá. 

Registro minha dor e minha saudade, minha admiração pela luz que hoje vi subir aos céus e que deixou nossos dias um pouco mais escuros.

Analu, poderia ser Analuz, e por isso mesmo ficará conosco, com todos que tiveram a felicidade de estar com ela nesse breve ciclo de vida.

Uma homenagem a uma luz que jamais se apagará.

COVID 19 deixando mais um vazio, mais uma dor enorme.




 
Taciana Valença
Enviado por Taciana Valença em 08/01/2021
Alterado em 08/01/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras