Taciana Valença

TACI EM VERSOS E PEDAÇOS.

Textos


Eclipse.

Tempo se fecha sem prévio aviso. Aliás, algo assim, meio em cima da hora. Nem mesmo deu tempo para pensar, refletir, treinar. Com qual roupa não vou sair?   Há algo solto no ar, invisível, perigoso, fatal! Sem mesmo nos darmos conta, sentimos frio na barriga, recapitulamos nossas vidas. Uma oportunidade para um raio-x da alma.

E se eu morrer amanhã? O que fiz, o que não fiz? Quais foram meus pecados? Como ficarão todos? Nossa, acho que jamais sentimos um perigo tão próximo.
À medida que o tempo vai passando, o vírus vai chegando perto, vai se mostrando, amedrontando, levando amigos, conhecidos, familiares. Um vulto, uma sombra negra abrindo as asas sobre nossas cabeças.

Então, de repente, estamos na janela, pedindo ao Universo uma cura, pedindo proteção para todos, clamando perdão por nós e pelo próximo. Uma reza, uma oração, um pedido sem religião. Sim, é nessa hora que buscamos a luz. Que a luz ilumine nossos dias, nossa saúde, nossa família. Enfim, que se houver um Deus, ele nos socorra.
Cadê Deus? Cadê Deus? E ele bem aqui, dentro de nós.

Temos a posse do interruptor que gradua a intensidade de luz que emanamos. Sim! Surge uma força, além de uma vontade de entender o que se passa. Imagino a graduação da luz. Seria lenha na fogueira. Lenha da boa, da que faz a labareda surgir, afastando qualquer escuridão.


Lenha do amor, da compaixão, do perdão, da humildade, da empatia e absolvição das nossas culpas. E a claridade vem à medida que jogamos lenha boa no fogo.

Esse é o interruptor que gradua a chama.

Descobrimos que toda a lenha estava guardada dentro de nós. Quem não descobriu isso antes, tem a chance de descobrir o esconderijo, de desvendar o segredo.

E agora? E a madeira que ficou úmida durante todo esse tempo? Como utilizar para jogar na fogueira da vida?
Vocês sabem que o segredo para secar é o calor. Neste caso, um calor bem específico:

 calor humano.
 
Ele não falha. Todos nos vemos precisando dele, e o mundo, mais do que nunca, sofre com as consequências desta escassez, quase uma falta.

E o Universo aponta a nossa chance de nos envolvermos uns com os outros. Mas só um detalhe: o calor tem que ser verdadeiro. Nada de falsa caridade, de falso ajudar, do ajudar para se envaidecer. Não! A chama só cresce com sentimentos verdadeiros. Se o calor não vier da alma, nem tente, o fogo não vai pegar.

Não é difícil pensar que nascemos com essa lenha boa para jogarmos na fogueira da vida, a lenha que trabalhará a nosso favor e, consequentemente, a favor da humanidade.

Mas sabe o que acontece? A gente se distrai com as tentações e ilusões do mundo, e ao invés de melhorarmos nossa condição de humano, acabamos iludidos com as vaidades, distraídos em fazer valer as vontades fúteis dos nossos umbigos. Preocupados em competir com o outro ao invés de se unir em prol de algo maior.
E a lenha? Sem cuidados, a gente deixa ali, largada ao chão, pegando umidade, e assim, perdendo sua função. Ela fica lá, quieta, e o mundo vai nos pegando de jeito.

O Universo vem com tudo e nos balança!

Êpa! Vamos prestar atenção no serviço?

Que humanidade é essa? O que é isso?

Coloca todo mundo trancado. Tipo numa cadeira de pensar. Os sensíveis percebem mais rápido toda a questão. Outros demorarão a entender, presos ainda nas vaidades vãs e egoísmo. Outros, não mudarão em nada, continuarão presos nas correntes grossas do obscurantismo.
 
Taciana Valença
 
 
 
Taciana Valença
Enviado por Taciana Valença em 16/01/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras